:: Home >> CURIÓ REPETIDOR- FILHOTE CANTADOR

 

CURIÓ REPETIDOR

A repetição é um fator genético pouco estudado, no entanto sabe-se da existência de alguns comportamentos de dominância tais como:

1.Dominância progressiva:Neste caso o curió vai aumentando a repetição à medida que o tempo passa.
 2.Dominância Retardada:

 O Curió começa a repetir após o 3° ou 4° ano de vida.

  3.Dominância Reprodutiva:

 O Curió só repete durante a corte ou após a cópula.

 4.Dominância cronológica e ou geográfica:

 O Curió só repete em determinados locais ou em certas horas especificas tais como:

Fim da tarde ou na alvorada.

  Como se pode observar, para cada situação criamos uma expectativa de entendimento. O fato do curió ter sido criado com pássaros que não repete canto, não é suficientemente forte para alterar a dominância da sua genética. Se for geneticamente repetidor terminará por repetir. Isto é fato consumado.

 Se os pássaros possuem (comprovadamente) genética para repetição, transmitirão este fator aos filhotes, no entanto podem não possuir dominância imediata para este fator e só começar a repetir após três ou quatro anos conforme falei. (Esta é a explicação mais acertada).

Entretanto deve-se ter certeza da origem dos mesmos para não perder tempo e dinheiro.

 

 Gilson-BA

 ***************************************************************************

 FILHOTINHOS DE CURIÓ

Só os machos cantam. As fêmeas só gorjeiam. As fêmeas possuem penas marrom-claras e acastanhadas. Choca seus ovos por 12 dias até  os filhotes nascerem. Após outros 12 dias, os filhotes começam a largar o ninho e deverão ser imediatamente anilhados (anilhas adquiridas junto às associações autorizadas pelo IBAMA).

 Quando ainda bem jovem este é o período em que os filhotes de curiós estão prontos para "aprender" seu canto.

Chamamos de vetorização o primeiro contato do filhote com o canto da espécie. Embora não haja embasamento científico para teoria exagerada de alguns criadores que afirmam que o início do aprendizado se dá com o filhote ainda no ovo, é certo que está ligado aos seus primeiro dias de vida, quando está totalmente receptivo. Também é certo que há uma predisposição genética ao aprendizado do canto, já que criadores que se dedicam à seleção de um plantel voltado para execução perfeita de determinado dialeto obtêm sucesso maior do que os que praticam cruzamentos aleatórios, mantidos procedimentos semelhantes no manejo da vetorização e encarte do canto.

Na natureza, o filho aprende com o pai e irá ensinar seus filhos no futuro. Esse é o meio mais eficiente de vetorização do canto. Na criação em cativeiro a coisa se complica, principalmente pela indisponibilidade de galadores com canto perfeito.

Existem vários tipos de canto de curiós. Os mais conhecidos são o dos curiós Xodó, Ana Dias, Patrício, Tiradentes , Prelúdio e Estrela do Sul (Canto Florianópolis). Sem dúvida, todos campeões, mas os criadores têm uma grande preferência pelo canto "Praia Grande", do curió Ana Dias. Na região sul, especialmente Santa Catarina, a preferência é pelo canto Florianópolis (CD-Estrela do Sul – Sitio do Curió)

Se você vai iniciar seu filhotinho de curió na "carreira" de cantor, deve colocá-lo em uma gaiola isolada de qualquer ruído ou canto de pássaros. Próximo da gaiola, instale uma caixinha de som, com volume normal, ou seja, nem muito alto, nem muito baixo.O volume ideal é abaixo de um terço do volume total de equipamentos convencionais.

O filhote não pode ouvir o canto de outros pássaros, aí incluídos galadores com falhas no canto e fêmeas solteiras.

Na natureza um pássaro não canta em tempo integral. Essa condição é fundamental no manejo do encarte de cantos. Para reproduzi-la em nossos criatórios é importante a utilização de um temporizador (timer) que regulará automaticamente os períodos em que será veiculado o canto e os intervalos de silencio ou acionamento de outra fonte sonora. O uso de uma fonte sonora alternativa para preenchimento dos intervalos de canto é apoio importante ao isolamento acústico. O som de uma rádio FM é bastante adequado, alternando fala e música, acostuma o pássaro aos sons típicos do convívio humano e evita que ouça cantos indesejados, oriundos do meio externo.

     São cada vez mais empregadas as cabines acústicas destinadas ao treinamento do canto de pássaros. A cabine permite o isolamento de galadores que não possuem bom canto, impedindo que influenciem negativamente a vetorização dos filhotes. Possibilita que se isole um filhote em treinamento dos sons indesejáveis, garantindo um melhor resultado na sua vetorização

O CD (ou cassete) escolhido deve ficar tocando o dia inteiro, observando um espaçamento de 20 a 30 minutos para reinicio do canto gravado.

Outro processo utilizado com bons resultados, é o processo por indução. Enquanto o filhote (que serve para adulto também) estiver dormindo  coloca-se o canto escolhido para ser ouvido.

Quando se tem mais de um curió, o ideal é colocar caixinhas de som próximo a cada gaiola.
    Os pássaros possuem uma sensibilidade superior a nossa para a percepção dos sons do ambiente. Se estivermos rodando a instrução de canto em um aparelho de som, por melhor qualidade que apresente, e o canto de outro pássaro invadir o isolamento acústico, esse canto roubará a atenção do filhote.

     Os primeiros três meses de vida do filhote compreendem o período em que estará mais receptivo à assimilação do dialeto do canto. Após esse período entram em muda (muda de ninho) e ficam até cerca de seis meses meio refratários ao canto. Após os seis meses passam para a fase de maturação sexual, ficam mais territorialistas e se dedicam ao desenvolvimento do canto que possuem vetorizado. Essa fase segue até a próxima muda. Passada a primeira muda de pardo, pouco poderá ser feito para corrigir um defeito de canto, embora não seja difícil estragá-lo no convívio com outros pássaros.

Existem atualmente, equipamentos de reprodução de cantos programáveis , com timer(toca , por exemplo, trinta minutos e pára quinze minutos).
Dicas do Sitio do Curió.
********************************************************************************************************************

Algumas orientações básicas para treino do filhote.

1- É necessário buscar filhotes de criadores especializados em produção de curiós repetidores e/ou fibra, e que os reprodutores sejam descendentes de curiós que já tenham se destacado como tais. O filhote deverá ouvir um CD do canto  desejado.
Ao adquirir dois ou mais filhotes que permaneçam na mesma residência, é necessário colocar em cabines acústicas evitando a interferência no canto de outros filhotes.

Prefira adquirir filhotes de casais que já tenham produzido bons resultados, ou que sejam descendentes, ascendentes, irmãos ou irmãs de curiós que já tenham se destacado como repetidores ou fibra. A experiência mostrou que o pai ,reprodutor com mais de quatro anos, tem influenciado em 70% em seus filhotes.

2- O uso de aparelhos adequados para audição do canto escolhido para treino do filhote é recomendável. Existe nos clubes, associações e nos torneios, aparelhos próprios para CDs e Fitas, que já vêm conectados com timer e sensor, possibilitando, por exemplo, tocar por 30 minutos e desligar durante 30 minutos, sucessivamente, ligando automaticamente ao clarear o dia e desligando automaticamente ao anoitecer através da fotocélula.

3- É bom e recomendável ter mais que um filhote para aproveitar a temporada e criação, e posteriormente selecioná-lo. Porém quando estiverem assobiando, já não poderão estar no mesmo ambiente, podendo separá-los colocando em cabines próprias, ou locais diferentes.

Os filhotes passam por três estágios de aprendizado:

1. Engriza ou churria
2. Marca notas
3. Assobia

O primeiro estágio deve durar em torno de 60 a 90 dias. Após esta data, ele deverá partir para o segundo estágio, ou seja, marcar notas (uma espécie de churriado porém com altos e baixos), podendo perceber melhor as notas ficando distante. Nesta fase, se você tiver mais que um filhote, deverá separá-los colocando numa cabine e na falta desta, em local diferente. Após 30 dias, eles deverão entrar no terceiro estágio, já assobiando.

4- Além de necessário, é recomendado para quem tem mais de um curió,o uso de cabines acústicas a fim de evitar interferência de um canto em outro que dificulta seu desenvolvimento. As cabines têm trazido a curto prazo excelentes resultados por serem acústicas, com som próprio, oxigênio, visor de vidro e tamanho ideal, deixando o pássaro mais comportado e sem stress. Se não possuir, procure mantê-los em locais diferentes para um não interferir no canto do outro.

5- Não é recomendável deixar o curió em cozinhas, banheiros, ou outros locais revestidos com azulejo, porque o curió tenderá a cantar com voz metalizada  devido às características de não absorção e produção de eco. O ambiente ideal deve ser acústico, de preferência com móveis, cortinas, tapetes, etc. para suavizar o som ouvido pelo curió. Como o som se propaga de baixo para cima, rebatendo nas paredes, é recomendável que as caixas acústicas estejam o mais próximo possível do piso e o alto falante não deve ser direcionado diretamente para a gaiola.

O ideal é que o volume seja 1/3 do volume normal que um curió mestre estaria cantando. Uma célula fotossensora no aparelho de som será muito útil porque, quando o curió acordar ao amanhecer o som automaticamente será ligado e, ao contrário se desligará ao anoitecer quando o pássaro for dormir. O ambiente deverá possibilitar ainda que o curió acorde e adormeça nos horários da natureza. Após anoitecer, evite deixar o curió onde haja TV ligada ou lâmpadas acesas.

6- Após cerca de quatro meses a partir do seu nascimento, o filhote fará uma rápida muda de pena, que chamamos de muda de pardo para pardo. Após 12 meses, ele fará uma nova muda passando de pardo para preto. E assim ocorrerá anualmente.

Os interessados em filhotes de alta qualidade e com genética de repetidores e/ou fibra, devem procurar criatórios especializados para terem sucesso.

 Dicas do Sitio do Curió
  Gabines para treino de canto : Sitio do Curió  cabine aberta